segunda-feira, 24 de maio de 2010

SENTENÇA

Convém nos
iniciarmos
cedo
As coisas são demoradas

E não é bom
colher os frutos
quando a boca não
conseguir mais
saboreá-los


.........................................................................
SENTECIA

Nos conviene
iniciarnos
temprano
Las cosas son demoradas

Y no es bueno
cosechar los frutos
cuando la boca no
consiga mas
saborearlos


Traducción: Gabriel Solís

nº 4 de los Navegantes
Visite: http://navegantesdelacruzdelsur.blogspot.com/2010/05/eunice-arruda-brasil.html

12 comentários:

  1. Chegar aqui é silenciar e tentar captar toda essa lição em forma de poesia.

    Abraço.

    ResponderExcluir
  2. Realmente, querida Eunice, o cedo é o momento exato do desprendimento para a vida.
    E há coisa melhor que saborear o bom fruto?
    Beijo

    ResponderExcluir
  3. Gostei do seu blog. Parabéns!

    ResponderExcluir
  4. Belíssimo e sábio poema. Geralmente espera-se tanto. Para quê?
    Saudações literárias

    ResponderExcluir
  5. Saboreio cada verso
    me lambuzando de poesia.
    Lindo, Eunice!
    Abraço

    ResponderExcluir
  6. È verdade, Eunice. Tudo é muito efêmero, nossa vida é passageira, mas a gente não se convence disso até a última hora...

    ResponderExcluir
  7. Tão simples... e Tão Verdadeiro!

    Grande abraço
    Jorge

    ResponderExcluir
  8. Eunice, em seu poema existe sabedoria. E filosofia. Sim, não demoremos a experimentar a beleza da vida!... Um forte abraço da Marisa Bueloni

    ResponderExcluir
  9. Caríssima Eunice,
    Sábia filosofia.

    Um grande abraço

    Benedita Azevedo

    ResponderExcluir
  10. Eunice, quanto mais descubro seus poemas, mas me encanto com sua poesia. é incrível a sua maneira de lidar com as palavras. é de uma leveza e de uma precisão que pousa fundo em quem lê. Te escrevi uns versos, simples, sem nenhuma intenção, a não ser, a de expressar a minha admiração pelos seus escritos:

    um pássaro
    sobre a mesa
    pousa sua sombra

    - palavra
    que atravessa
    sem rasgar o papel.


    um abraço,
    Geraldo.

    ResponderExcluir